1 de agosto de 2014

Resenha - As Crônicas dos Kane

Título: A Pirâmide Vermelha
Série: As Crônicas dos Kane
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Páginas: 445
Classificação: 5|5
Onde comprar: Saraiva


Sinopse:
Desde a morte de sua mãe, Carter e Sadie viveram perto de estranhos. Enquanto Sadie viveu com os avós, em Londres, seu irmão viajava pelo mundo com seu pai, o egiptólogo brilhante, Dr. Julius Kane.
Uma noite, o Dr. Kane traz os irmãos juntos para uma experiência de “pesquisa” no Museu Britânico, onde ele espera para acertar as coisas para sua família. Ao contrário, ele liberta o deus egípcio Set, que expulsa-lo ao esquecimento e forças das crianças a fugir para salvar suas vidas.
Logo, Sadie e Carter descobre que os deuses do Egito estão acordando e, o pior deles – Set – tem a sua visão sobre o Kanes. Para detê-lo, os irmãos embarcam em uma perigosa viagem em todo o mundo – uma busca que traz os cada vez mais perto da verdade sobre sua família e seus vínculos com uma ordem secreta que existiu desde o tempo dos faraós.


Resenha:
O livro conta a história de dois irmãos, Sadie e Carter Kane, que foram separados em uma briga judicial após a morte da mãe deles, pela qual nada é revelado. Sadie ficou com os avós, os Faust, morando em Londres, enquanto Carter ficou com o pai, Dr. Julius Kane, viajando pelo mundo, já que esse era um grande egiptólogo.
Na véspera de Natal, um dos únicos dois dias do ano que Julius tem para visitar a filha, ele leva Carter e Sadie para visitar o British Museum e lá o pai dos Kane explode a Pedra de Roseta ao invocar um deus e é aprisionado em um sarcófago que é engolido pela terra.

Mas quando você abre a porta, deve estar preparado para receber visitas.

Eu pouco sabia sobre a mitologia egípcia e achei esse livro uma excelente aposta para a introdução, apesar do livro conter mitologia, ele não essencialmente sobre ela, misturando os tempos atuais com monstros, deuses, demônios e diversas outras coisas sobre a mitologia egipícia.
O livro é narrado pelos irmãos Kane e é como se fosse uma transcrição de uma fita de gravação enviada por eles. Os personagens alternam a narração a cada dois capítulos, deixando o livro bem mais dinâmico, já que você pode ver o ponto de vista de cada um e entender mais o que cada irmão sente e pensa. Eu me confundia sempre que trocava a narração para Sadie, porque como era o Carter que tinha começado, eu tinha me acostumado mais com ele. Mas você pega o ritmo no decorrer do livro.

Todos os impérios caem. Mas ideia do Egito é eterna.

Os personagens são muito diferentes e apresentam características opostas em relação ao tipo de vida que levam. Apesar de Sadie morar com os avós e ter amigas que gritam por qualquer garoto bonito, ela é durona e muito sábia para uma menina de doze anos. Ela não desgruda dos coturnos e tem mechas vermelhas no cabelo. Já Carter é mais calmo e ‘certinho’ que Sadie. Como Carter vive viajando, não tem uma casa e é mais velho que a irmã, ele deveria ser mais corajoso e durão, porém acho que a convivência com o pai o fizeram ser mais certo. E eles têm um senso de humor excelente.

Justiça não significa que todos recebem as mesmas coisas. Justiça é garantir que todos recebam o que é necessário.

Uma coisa que eu queria destacar é o modo como a maioria dos personagens do Riordan reagem ao entrar no mundo da mitologia, onde existe deuses e monstros. Se coloque no lugar deles, onde os mitos não passavam de histórias e do nada você entra num mundo que você julgava irreal, eles reagem à essa entrada tipo assim: “Meu Deus! Isso não pode ser verdade. Mas já que é, vamos lá acabar com uns monstros.”. Apesar deles ficarem assustados e se perguntando como tudo isso pode existir e até mesmo se recusarem a acreditar, eles não surtam ou ficam muitoo assustados como deveriam demonstrar após entrar nesse mundo, eu realmente fico muito intrigada com essa situação. Mas voltando...

Eu não queria admitir, mas não suportava a ideia de ser separado de Sadie outra vez. Ela não era grande coisa, mas era tudo o que eu tinha.

A leitura flui super bem, mas a letra é pequena e a página é grande, então demora um pouco de chegar ao final.
O Rick quase me matou de susto em algumas partes e ele deixa muitas surpresas intrigantes no decorrer do livro, mas elas realmente começam a aparecer a partir das duzentas páginas finais, se é que isso pode se chamar de ‘finais’.
 O Tio Rick me surpreendeu mais uma vez e achei que ele soube muito bem finalizar o livro, fazendo você desejar o próximo.
Abraços,

Nicole!

6 comentários:

  1. Oi Nicole :)

    Eu realmente não me interesso pelos livros do Rick. Já li Percy Jackson e achei extremamente mal elaborado e, também, mal escrito. Quem sabe um dia eu dê uma chance. Beijos!

    Vocês se lembram da Pesquisa de Opinião que publiquei mês passado? Pois é! Confira o que vai mudar e o que continua no blog daqui pra frente.

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como assim? Kk Eu acho os livros dele muito bons e super bem escritos, mas respeito sua opnião. Acho que a primeira série dele mostra apenas uma parte de seu potencial, mas percebi que ele evoluiu muito.

      Excluir
  2. Eu adoro esse livro! Não acho que o autor copiou a própria obra nem nada disso!
    A Sadie e demais e eu adoro ela com o Anúbis! As discussões dos irmãos durante a narrativa são sensacionais!
    Beijos

    http://itsfangirltime.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Copiou a própria obra? Eu não falei isso kk Eu também amo a Sadie e o Anúbis, apesar dele ser mais velho, porém adoro um romancinho. Beijos!

      Excluir
  3. Gosto da forma que o RIck apresenta esse mundo, mais sou suspeita para falar já que gosto dele, já li esse livro e gostei muito, claro que Percy ainda é melhor, mais esse é legal, ainda falta ler os outros dois livros.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Percy Jackson me conquistou muito mesmo quando eu li e Crônicas dos Kane ainda mais, amo os dois. Somos duas suspeitas para falar de Rick Riordan. Bjs!

    ResponderExcluir

Fala galera! Vamos conversar um pouco sobre os comentários?

-> Eu adoro ler comentários, sério, gosto muito, mas a gente que é blogueiro percebe quando a pessoa leu o conteúdo do post e quando ela não leu. Por mais que você esteja comentando, a gente percebe que você não leu o post e isso não é muito legal, então comente coisas coerentes ao post, por favor, respeito quem escreveu o conteúdo lendo e comentado coisas inteligentes, comentários com "que legal! Comente no meu blog" não são legais.

-> Se você tem um blog de qualquer gênero, vou adorar conhecer. Talvez não vá lá no dia em que você comentou, ou no dia seguinte, mas mais dia menos dia vou conferir lá, e se você seguir o meu, eu sigo se volta sem nenhum problema!

-> Sem ofensas, por favor. Nunca passei por nenhum constrangimento durante o período de existência do blog e nem quero passar, então respeito é bom e todos gostam.

Comentem à vontade!
Abraços,
Gabriel